05/08/2022 às 11h31min - Atualizada em 05/08/2022 às 12h55min

ONGs se unem para realizar a maior mobilização nacional pela Amazônia de Pé

“Virada Cultural Amazônia de Pé” em alusão ao Dia da Amazônia

SALA DA NOTÍCIA Monica Hing - RPM Comunicação
Divulgação
Uma série de atividades culturais vai conectar o Brasil em defesa da Amazônia. A ONG NOSSAS e mais 150 instituições querem transformar o Dia da Amazônia, 5 de setembro, em um marco histórico para a proteção da floresta. A ideia é movimentar milhares de pessoas de todo país para realizar atividades culturais que criem diálogos com a população sobre as consequências da crise climática e do desmatamento no maior bioma brasileiro. O principal objetivo é conscientizar todo o país de que proteger a Amazônia é urgente e precisa ser uma prioridade nas decisões políticas deste ano. Para participar, qualquer brasileira ou brasileiro pode inscrever uma atividade cultural para ser realizada entre os dias 3 e 10 de setembro e fazer parte de um grande mapa de ações. As inscrições podem ser feitas pelo site http://virada.amazoniadepe.org.br, até o dia 03 de setembro. 

O site da Virada Cultural Amazônia de Pé abriga um mapa que recebe essas atividades culturais realizadas em todas as regiões do país. Produtores culturais são convidados a realizarem eventos públicos que pautem a crise climática, mas também os cidadãos comuns podem se mobilizar, do seu jeito, e inscrever uma atividade que movimente seu bairro, sua família e amigos pela causa. Além de eventos públicos ou privados, de shows musicais a atividades infantis e de cine-debates a jantares privados, qualquer cidadão pode reunir grupos de amigos, de família, comunidades de bairro e produzir encontros privados para reverberar a campanha e chamar atenção para a situação crítica do desmatamento no norte brasileiro. O mapa já conta com mais de 100 eventos cadastrados.

“A Cultura tem sido uma forte aliada para manter a Amazônia de Pé. Cada vez mais, estamos vendo a bandeira de luta dos povos indígenas sendo levantada por artistas em shows, teatros, ruas e diversos outros espaços culturais. Essa forma de manifestação contribui para públicos diversos atentarem para essa pauta tão importante para nós”, reafirma a ativista indígena, artista e mobilizadora da campanha Amazônia de Pé, Leila Borari.

A mobilização faz parte da campanha “Amazônia de Pé”, uma proposta de projeto de lei de iniciativa popular que pretende proteger a floresta através da destinação de mais de 57 milhões de terras públicas, que são o principal alvo do desmatamento e garimpo na região. A campanha foi lançada em maio e, em menos de dois meses, já conta com mais de 15 mil ativistas coletando 1,3 milhão assinaturas ao redor do Brasil e do mundo, com ativistas em todos os estados brasileiros e em países como Portugal, França, Alemanha e Estados Unidos. Para que o projeto chegue até o novo Congresso Nacional em 2023 e vire lei, são necessárias 1,5 milhão de assinaturas físicas. Se aprovado, grande parte de terras desprotegidas ficam aos cuidados de populações indígenas, quilombolas, comunidades de pequenos extrativistas e viram unidades de conservação da natureza, como garantia de que, através de uma relação harmônica com a floresta, a Amazônia permaneça de pé.

Mais de 150 organizações, coletivos e movimentos já aderiram à campanha, assinando e levando o projeto até os territórios onde atuam. Entre essas centenas de instituições, estão o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - IPAM, a Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos - CONAQ, o Comitê Chico Mendes, o Movimento da Juventude Indígena de Rondônia e o Movimento de Mulheres Camponesas - MMC, que assinaram e contribuíram na escrita da lei. Para que a campanha chegue, de fato, a todo o país, essas organizações fazem parte de uma grande mobilização que tem como objetivo fazer o Brasil parar na semana do Dia da Amazônia para ouvir e conversar sobre como o desmatamento na região impacta a vida de todos os brasileiros.

“O Dia da Amazônia já é um dia muito importante no Brasil, mas não é uma data que seja feriado no país inteiro. Ainda não é um dia em que todos os lugares pautam a Amazônia, como outras datas celebrativas no Brasil. A ideia é que, na semana do Dia da Amazônia, todos os equipamentos culturais, todos os artistas, onde quer que estejam, falem sobre a Amazônia. A gente acredita no poder da cultura de transformação social, de movimentar imaginários e atingir diversos territórios. A cultura tem poder de polifonia, de transformar algo que é duro em ação, em poesia, em coletividade. A cultura é capaz de 'rackear' os sistemas e através da voz da cultura a gente pode falar coisas que muitas vezes são censuradas. Historicamente, a cultura tem um papel muito importante em movimentos sociais e políticos”, explica Helena Ramos, coordenadora de produção e cultura da Amazônia de Pé.


SOBRE NOSSAS:
O Nossas é uma organização sem fins lucrativos, comprometida com o fortalecimento da democracia, da justiça social e da igualdade. Há mais de dez anos desenvolvendo projetos, táticas e estratégias de mobilização e solidariedade, ela está presente em todo o território nacional. Foram dezenas de campanhas realizadas na última década, mobilizando e formando redes de ativismo em torno de pautas como a violência de gênero e cor, justiça climática, defesa da democracia, entre outras.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »