04/08/2022 às 15h57min - Atualizada em 05/08/2022 às 00h12min

Qual é a relação de Taiwan com os EUA?

Visita da presidente da Câmara norte-americana à ilha provocou protestos da China. Apesar de reconhecerem a política de unidade chinesa, EUA veem Taiwan como antigo aliado e abastecem ilha com armas modernas.

G1
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/08/04/qual-e-a-relacao-de-taiwan-com-os-eua.ghtml

Visita da presidente da Câmara norte-americana à ilha provocou protestos da China. Apesar de reconhecerem a política de unidade chinesa, EUA veem Taiwan como antigo aliado e abastecem ilha com armas modernas. Manifestantes seguram cartazes em apoio à visita de Nancy Pelosi em Taipei, Taiwan
Ann Wang / Reuters
Após o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945 e a guerra civil chinesa em 1949, dois países na Ásia passaram a atender pelo nome de China: a "República da China”, em Taiwan, que reivindica todo o território chinês desde a derrota na guerra civil, e a "República Popular da China”, proclamada por Mao Tsé-Tung em Pequim em 1949 e que vê Taiwan como uma província rebelde. Essas visões são sustentadas por constituições dos dois territórios até os dias de hoje.
O Partido Comunista Chinês, que governa o lado continental, nunca regeu sob a ilha de Taiwan desde então. Taiwan, por sua vez, nunca conseguiu ditar os rumos da política além do seu território – a região tem eleições democráticas e alternância de governo desde a década de 90.
Leia também
Mísseis de exercício militar da China caem em águas do Japão, diz imprensa do país
Nancy Pelosi deixa Taiwan após visita que acirrou tensões com China
Exercícios da China são vistos de ilha próxima a Taiwan
Por um tempo, ninguém quis mudar essa situação.
Até que em 2005 Pequim aprovou a Lei Anti-Secessão, que permite ao "Exército de Libertação" chinês reprimir, sob força de armas, uma eventual declaração de independência de Taiwan. O regime chinês aponta já há anos milhares de mísseis na direção de Taiwan, cujo território mais próximo da República Popular da China fica a menos de dois quilômetros de distância. As tensões militares nos dois lados do Estreito de Taiwan têm crescido com frequência.
Helicópteros militares chineses sobrevoam a ilha de Pingtan, um dos pontos mais próximos da China continental de Taiwan, na província de Fujian
Héctor Retamal / AFP Photo
Isolados da comunidade internacional
Até o início dos anos 70, Taiwan era reconhecida pela comunidade internacional como "República da China". Em 1971, contudo, a Organização das Nações Unidas decidiu que Pequim passaria a representar a China em todos os seus órgãos. Com isso, a "República da China” foi "substituída” pela comunista República Popular da China.
No ano seguinte, o governo alemão retomou os laços diplomáticos com a República Popular da China. A decisão à época foi baseada na política de unidade chinesa, que reconheceu Pequim como o único governo legítimo da China e veta relações diplomáticas com o lado taiwanês, entendimento que continua a vigorar ainda hoje. Atualmente, apenas 14 Estados da comunidade internacional reconhecem Taiwan, entre eles o Vaticano.
Taiwan - Webstory
Chiang Ying-ying/AP
Pouco tempo depois, em 1979, depois de alguns anos de reaproximação, foi a vez de os Estados Unidos romperem suas relações com Taiwan e reconhecerem a República Popular da China. No mesmo ano, o Congresso americano aprovou uma lei, a "Taiwan-Relations-Act", que autoriza a venda de sistemas de armamento modernos à ilha e exige do governo americano a manutenção da paz em Taiwan e seu entorno.
EUA querem fortalecer democracia na Ásia
Em Washington predomina na política a opinião de que os EUA, por razões históricas, não podem deixar Taiwan à mercê de Pequim. Durante boa parte da Guerra Fria, Taipei e Washington eram aliados na luta contra a China comunista. Depois, no entanto, os EUA se aproximaram da China comunista quando esta se distanciou da antiga União Soviética. Mais recentemente, os americanos passaram a ver a ascensão do regime de Pequim com grande desconfiança e os chineses como rivais; Taiwan, por outro lado, é um aliado importante, que compartilha dos mesmos valores.
Em sua visita à ilha, a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, foi taxativa: ela quer "deixar muito claro que os EUA não desistirão dos compromissos firmados com Taiwan”. O território também tem importância estratégica, pois a partir dele podem ser observadas as movimentações de todos os navios e aviões de guerra chineses na região do Pacífico.
Princípio da unidade chinesa
Para o Partido Comunista chinês, o princípio da unidade chinesa tem uma mensagem e objetivo claros: Taiwan deve ser reintegrada ao continente sob a liderança de Pequim. Já em Taiwan, esse princípio ganha interpretações diferentes. Para o principal partido de oposição de lá, o KMT, os dois lados da disputa acordaram numa rodada de conversas em 1992 em Hong Kong que só existe uma China – se taiwanesa ou comunista, isso depende da interpretação de cada parte interessada. O acordo em questão ficou posteriormente conhecido como "Consenso de 1992".
Para Pequim, o "Consenso de 1992” é a base política para relações pacíficas. Na prática, o governo nunca se pronunciou publicamente sobre a possibilidade de que a palavra "China" poderia se referir a qualquer outro país que não a República Popular da China.
O partido governista em Taiwan, DPP, da presidente Tsai Ing-wen, não é um grande entusiasta do "Consenso de 1992". "Em 1992, ambos os lados chegaram a alguns pontos em comum", afirmou a presidente em seu discurso de posse, em 2016. "Eu respeito esse fato histórico." Ela disse estar disposta a manter a paz e a estabilidade, mas sem desconsiderar a democracia e a vontade popular dos taiwaneses.
A opinião pública em Taiwan está profundamente dividida entre a independência ou a reintegração à China devido aos fluxos migratórios históricos que tem recebido do continente, sobretudo desde o fim da Segunda Guerra Mundial.
Zero tolerância de Pequim
Só o fato de o governo em Taipei se referir a si mesmo como "Taiwan" em vez de "República da China" já é visto por Pequim como um passo que antecede a declaração da independência, já que a nova nação se chamaria Taiwan e a própria China não reconhece a "República da China", tampouco seu hino nacional e bandeira.
Funcionários públicos chineses aprendem na sua primeira introdução ao serviço que Taiwan não tem "presidente”, mas sim uma "chefe administrativa local".
Pequim bloqueia o acesso de Taiwan a organizações internacionais, razão pela qual a ilha não pôde participar da Organização Mundial de Saúde durante a pandemia de Covid-19. A Alemanha também não tem nenhuma missão diplomática em Taiwan, apenas um instituto alemão em Taipei. Já a "República da China" tem uma representação diplomática de Taipei em Berlim. Nos jogos olímpicos, os atletas taiwaneses participam das competições como "chineses de Taipei".
Veja os vídeos mais assistidos do g1

Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/08/04/qual-e-a-relacao-de-taiwan-com-os-eua.ghtml
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »