17/05/2022 às 17h44min - Atualizada em 18/05/2022 às 11h32min

Empresas de alimentação correm para atender demanda crescente por produtos veganos no Brasil

Pesquisa da Mercy For Animals mostra que quase dois terços da população brasileira já compra regularmente produtos à base de plantas.

SALA DA NOTÍCIA Valle da Mídia
Enquanto pesquisas mostram a escalada do apetite das pessoas no Brasil por produtos 100% vegetais, empresas avançam em uma corrida de obstáculos para ampliar o portfólio de ofertas. Pesquisa inédita encomendada pelo programa EscolhaVeg, da Mercy For Animals (MFA), mostra que oito a cada dez pessoas (81%) no país experimentaram produtos à base de plantas nos últimos seis meses e que o consumo regular destes produtos tem aumentado.

O setor de alimentação fora do lar aumenta progressivamente a aposta no mercado de produtos plant-based. A Fazenda Futuro, por exemplo, ampliou portfólio, com versões vegetais para linguiça, almôndegas, frango e atum, além do hambúrguer de plantas. Lanchonete da Cidade, Spoleto e Dídio Pizza são algumas empresas de alimentação que oferecem a linha da Fazenda Futuro. Além disso, indústrias do setor expandem velozmente a gama de produtos veganos, bem como redes de hipermercados e supermercados.

No varejo alimentar, as vendas de produtos plant-based crescem a taxas superiores a 100%. O GPA detectou os sinais da demanda e é uma das redes de supermercado aumentando a oferta de linhas vegetais, com produtos que funcionam como alternativa ao consumo de proteína animal. Dados do The Good Food Institute (GFI) junto ao Ibope mostram que metade da população brasileira reduziu o consumo de carne desde 2020.

“A alimentação à base de plantas, no fundo, é para todo mundo. Alimentos 100% vegetais já fazem parte da mesa das famílias brasileiras, e agora esse tipo de alimentação pode ficar ainda mais diversificada e saborosa com a presença de novos produtos no mercado”, comenta a gerente da EscolhaVeg, Julia Seibel. O programa desenvolvido pela MFA visa auxiliar empresas a incluírem em seus cardápios e promoverem opções à base de plantas.

Interesse ainda maior entre jovens

O levantamento contratado pelo EscolhaVeg foi realizado em setembro de 2021 pela empresa de pesquisa de consumo Cint. O objetivo foi entender melhor as percepções e comportamentos da população sobre a alimentação à base de plantas, com 500 pessoas entrevistadas em todas as regiões do país. Os resultados mostram que uma mudança de hábitos alimentares está em curso no país e indicam a saúde como o principal motivo - 97% citam a saúde como uma das três principais razões para consumir alimentos vegetais.

Segundo a pesquisa, quase dois terços (63%) das pessoas entrevistadas já compram produtos 100% vegetais regularmente no Brasil. Esse comportamento reflete as estimativas de crescimento do setor no país. A tendência, que é mundial, foi captada pela Bloomberg Intelligence, que estima que o mercado de alimentos plant-based deverá crescer dos atuais US$ 29,4 bilhões para US$ 162 bilhões em 2030.

O estudo também indicou que a maioria (53%) considera os produtos à base de plantas como substitutos da proteína animal. Entre jovens, essa percepção ganha ainda mais força: 64% das pessoas entrevistadas entre 25 e 34 anos declaram consumir produtos à base de plantas como substituição aos de origem animal, em vez de adicionais à alimentação.

"É impressionante ver a popularidade que estes produtos ganharam em apenas dois anos. O crescimento desse mercado, com mais variedade de marcas, produtos e preços, além da presença mais forte em diferentes regiões do Brasil, pode fortalecer ainda mais a preferência do público consumidor por essas opções”, destaca Julia Seibel, gerente do EscolhaVeg.

Mudança de mentalidade
A transformação da cultura alimentar também atinge as redes de alimentação. É o caso do restaurante Banana Verde, em São Paulo, que nasceu vegetariano e busca oferecer um cardápio cada vez mais inclusivo. “Começamos a elaborar pratos mais criativos e com um novo olhar para o atendimento ao consumidor, capacitando a nossa equipe de hospitalidade e incentivando novos hábitos”, afirma a empresária e chef Priscilla Herrera.

No restaurante paulista Green Kitchen, a proprietária Daniele Zukerman conta que incluir pratos veganos no portfólio permite ampliar o leque de opções de forma mais inclusiva até ao público que não é necessariamente vegano. “Apenas 20% do nosso público é vegano. Adaptar o cardápio para oferecer opções vegetais é bem mais simples do que parece, pois é possível usar itens que já fazem parte de outros pratos ou muitas vezes, sem precisar acrescentar algo na lista de compras”, explica.

Sobre o EscolhaVeg
Auxiliar as organizações a trabalharem com a tendência plant-based, por meio da inclusão e promoção de opções 100% vegetais em seus portfólios, é o objetivo do EscolhaVeg, desenvolvido pela MFA. O programa oferece consultoria gratuita em todas as etapas do processo, desde a elaboração de cardápio, mapeamento e seleção de fornecedores, produção de materiais educativos e treinamento, até apoio na divulgação das ações para o público final.

Sobre a MFA
A Mercy For Animals é uma das maiores organizações sem fins lucrativos do mundo dedicada ao fim da exploração animal em fazendas industriais e na indústria da pesca. Fundada há 21 anos nos EUA e presente no Brasil desde 2016, a MFA atua em outros países da América Latina, no Canadá, na Índia e está expandindo operações no leste e sudeste asiático, para construir um sistema alimentar mais justo e sustentável.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »