02/05/2022 às 12h37min - Atualizada em 02/05/2022 às 12h37min

Mês de abril choveu quase 40% a mais do previsto, diz Codesal

AB Notícias News
Correio
Marina Silva/Arquivo CORREIO
O mês de abril choveu muito além do previsto pela média histórica. Segundo a Codesal, ao longo do mês, foram registrados 394,4 mm de acumulados de chuvas, 39,4% acima da média histórica (normal climatológica), que é de 284,9mm, contabilizada pela estação pluviométrica de referência, em Ondina.
Foi o segundo mês de abril mais chuvoso dos últimos oito anos, sendo superado apenas por abril de 2020, quando choveu 545,5 mm. Entre 1º e 30 d abril deste ano, foram realizadas 1.565 vistorias de imóveis e de áreas de risco.
Estas informações constam do balanço parcial da Operação Chuva 2022, divulgado nesta segunda-feira (02/05), referente a abril, primeiro mês da atividade, quando se intensificam as ações preparativas para o período chuvoso.
Entre as vistorias realizadas, as ocorrências mais frequentes foram ameaça de deslizamento (408); ameaça de desabamento (289); deslizamento de terra (228); orientação técnica (181) e árvore ameaçando cair (91).
Os bairros da capital baiana que registraram os maiores acumulados de chuvas foram Mirante de Periperi (456,4 mm); Periperi (419,2 mm); Itacaranha (408,4 mm); Fazenda Coutos (402,8 mm); Centro (402,5 mm); Capelinha - Vila Picasso (402mm); Pirajá (400,8 mm; Bom Juá (398,4 mm); Ondina (397,2 mm) e Engenho Velho de Brotas (394,4 mm).
 
Sirenes
Em função das fortes chuvas, foram acionadas as sirenes nas comunidades Voluntários da Pátria (Lobato), Vila Picasso (Capelinha), Bom Juá, Baixa do Cacau (São Caetano), Mamede (Alto da Terezinha), Moscou (Castelo Branco), dia 18, e, 19, no Calabetão.
A sirene da comunidade de Bosque Real (Sete de Abril) foi acionada dia 20/04, juntamente com a de Moscou (Castelo Branco), que já tinha sido acionada dia 18/04, de modo a reforçar o alerta preventivo naquela comunidade.
As sirenes são acionadas após o volume de chuvas ultrapassarem 150 mm em 72 horas de chuvas intensas. Após o acionamento, os moradores são instados a saírem de suas casas e se dirigirem para um centro de acolhimento, localizados em escolas municipais.
Ao longo do período, 307 pessoas foram evacuadas de suas casas e conduzidas à abrigos instalados em escolas municipais no entorno das regiões atingidas. As Gerências Regionais de Educação (GREs), a Secretaria de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esporte e Lazer (Sempre) e os gestores das Prefeituras-Bairro colaboraram no abrigamento.
Passado o risco apresentado pelas chuvas e após vistorias realizadas pela Codesal nas áreas evacuadas, as famílias que não puderam voltar em segurança para suas casas, e não possuíam local seguro, foram encaminhadas para o Abrigo de Acolhimento Provisório da Sempre.
 
Prevenção
Ao longo do ano, a Defesa Civil de Salvador realiza ações preventivas nas áreas de risco da capital baiana. Neste sentido, as vistorias são realizadas diariamente a partir de demandas dos moradores ou de solicitações feitas através dos órgãos parceiros da Operação Chuva.
“O principal objetivo da Defesa Civil é preservar vidas. Fazemos sistematicamente esse acompanhamento e, se alguém perceber mudanças no cenário, como escorregamentos de terra, rachaduras em paredes, postes inclinados, entre outras, deve entrar em contato conosco imediatamente”, orienta o diretor-geral da Codesal, Sosthenes Macêdo.
Ele destacou ainda que a sintonia com os órgãos do Sistema Municipal de Prevenção e Defesa Civil (SPMDC) permitiu apresentar resposta imediata às principais demandas e garantir a segurança da população.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »