20/01/2022 às 09h19min - Atualizada em 20/01/2022 às 12h20min

Corporate Venture tem unido empresas e startups no Brasil

Estratégia que aproxima empresas e startups teve volume de aportes de fundos de mais de US$ 622 milhões no Brasil.

DINO
http://www.fcamara.com.br
Livros sobre Corporate Venture


Sem dúvidas a tecnologia está cada vez mais influenciando a rotina das empresas, sejam elas pequenas ou grandes. Nesse cenário, uma tendência tem chamado a atenção dos gestores de inovação, tecnologia, comerciais ou mesmo CEOs: o Corporate Venture, estratégia que envolve relacionamento entre grandes empresas e startups.

Com o mercado cada vez mais aquecido e acelerado, essa estratégia tem impulsionado as startups e empresas a atuarem em conjunto, independentemente se vai ser uma parceria, aquisição, investimento ou desenvolvimento de negócios, precisa ser em conjunto.

Prova disso é que, segundo o estudo Corporate Venture Capital Report 2021, o volume de aportes de fundos de Corporate Venture chegou a US$ 622 milhões no Brasil. Esse dado corresponde somente aos meses de janeiro a setembro de 2021 e é o triplo do valor investido em 2020.

Para João Gabriel Chebante, especialista em Corporate Venture do Grupo FCamara, consultoria de soluções tecnológicas e transformação digital, uma opção para quem quer dar seus primeiros passos para compreender e desenvolver uma estratégia inicial de atuação com startups é entender mais sobre Corporate Venture por meio de livros.

Na obra "Estilo Startup", de Eric Ries, por exemplo, o autor cunhou o termo “lean startup” e a metodologia que permeia a atuação de startups: faça por menos, teste sempre, falhe rápido. O seu segundo livro mostra a sua saga ao aplicar os conceitos de gestão de negócios de forte crescimento e agilidade para grandes corporações. “Ao ler este livro você compreenderá o desafio de mudança cultura e de comportamento para tal atuação, bem como boas dicas para os primeiros passos”, conta Chebante.

Já em "Do sonho à realização em 4 passos", de Steve Blank", o leitor se debruça sobre a metodologia da Startup Enxuta, voltada para novos empreendimentos. Steve, inclusive, foi o professor de Eric em Stanford e após anos de análise e investimento em startups desenvolveu um método de desenvolvimento e validação de novos negócios - o Customer Development. “Termos como Mininum Viable Product (MVP) e Product¨Market Fit nascem do bê-a-bá desta densa obra, mas incrível e fundamental para compreender a forma que startups testam, validam e escalam novos projetos”, comentou o executivo.

Uma vez entendido a influência das startups para grandes organizações e como elas operam para ganhar escala, é hora de entender a forma de pensar e trajetória dos principais empreendedores do segmento no país. É com este propósito que a terceira edição da série “Fora da Curva”, criada pela Casa do Saber, se debruçou, entrevistando alguns dos unicórnios e startups de maior renome no país.

E por falar em startups, hoje, o Brasil tem mais de 17 mil empresas do tipo, de acordo com a Sling Hub. O estudo apontou, ainda, que o país domina o ecossistema latino-americano de startups e representa 77% do mercado. “Certa vez um VC de sucesso me disse que sua grande preocupação, ao assinar um acordo que coloca milhões para investimento de uma startup, é que o crescimento - principalmente no que tange a pessoas - possa levar a uma quebra da cultura ali presente e torne a empresa inoperante, ou fora de foco”, compartilhou Chebante. 

Para Chebante, tudo numa startup (e isso inclui as grandes rodadas de investimento) gira em torno de uma palavra: crescimento. É o fator de conseguir crescer mais rápido e com menor contingente de pessoas (ou recursos) que uma empresa tradicional que chama a atenção de investidores e empresas para se aproximarem e gerar sinergias. “Entre tantas obras que dissecam as melhores práticas, o livro Blitzscalling - de Reid Hoffman, o fundador do Linkedin e investidor em série - consolida algumas das melhores práticas para repensar a forma de gerar crescimento ao seu negócio, bem como avaliar startups neste sentido”, disse.

Por outro lado, analisar financeiramente uma startup tem boas diferenças em relação a uma empresa tradicional. Ainda que os princípios contábeis sejam os menos, mas o valor da empresa envolve uma outra abordagem, que considera crescimento x lucro, queima de caixa, rodadas de investimento e participações dos sócios. 

O Grupo FCamara é uma consultoria de TI para resultados em negócios, que promove transformação digital ao prover múltiplas soluções tecnológicas, com atuação nos principais players do mercado de saúde, educação, indústrias, entre outros. Após imersão no Vale do Silício, fundou a Orange Ventures, sua própria Venture Builder, que já lançou diversas startups com foco B2B. www.fcamara.com.br/

 



Website: http://www.fcamara.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »