13/01/2022 às 14h03min - Atualizada em 13/01/2022 às 14h03min

Chapa com Ciro e Marina esbarra em João Santana e negociação entre Rede e PSOL

Embora pedestistas façam elogios públicos à ex-ministra, até hoje não foi feito nenhum convite formal para que ela possa avaliar a possibilidade de ser vice.

AB NOTICIAS NEWS
Agência O Globo
Reprodução

Embora a possibilidade de uma chapa que una os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) tenha movimentado as redes sociais nos últimos dias, a negociação enfrenta uma série de entraves. Interlocutores de Marina dizem que os obstáculos não são instransponíveis, mas deixam claro que esperam um gesto de Ciro. 

Embora pedestistas façam elogios públicos à ex-ministra, até hoje não foi feito nenhum convite formal para que ela possa avaliar a possibilidade de ser vice. Outro ponto é que a Rede avalia a possibilidade de se unir ao PSOL numa federação, e o partido de Guilherme Boulos deve apoiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A maior dificuldade, porém, é o fato de o marqueteiro João Santana integrar a equipe do pedestista. 

Na eleição presidencial de 2014, Marina, que concorria pelo PSB e chegou a ter chances de ir para o segundo turno, foi alvo de propagandas produzidas por Santana, responsável pela comunicação da campanha à reeleição da então presidente Dilma Rousseff. Um dos vídeos do horário eleitoral petista falava sobre a proposta de Marina de promover a independência formal do Banco Central. No vídeo, a consequência era a retirada de comida da mesa de trabalhadores. No final, Marina acabou em terceiro lugar. 

Presidente do PDT, Carlos Lupi, afaga Marina, minimiza o episódio com Santana e avalia que é possível "aparar as arestas". No entanto, sugere que Ciro não abriria mão do marqueteiro: 

“Ele (Santana) não é o candidato. Candidato é o Ciro. Em política não existe isso (abrir mão do João Santana). Tem que aparar as arestas, afinar a viola”, afirma Lupi. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »