03/12/2021 às 16h21min - Atualizada em 03/12/2021 às 16h21min

Ministro português rende acusação devido a com morte atropement

AB NOTICIAS NEWS
Agência EFE
Reprodução
 O Ministro da Administração Interna de Portugal, Eduardo Cabrita, anunciou neste sexto dia o indeferimento da acusação, que o seu motorista foi acusado de homicídio, por negligência ou atropelamento que acabou morrendo, em junho deste ano.

“Não posso permitir que esta exploração política, absolutamente intolerável, seja utilizada para punir uma ação governamental, contra o Primeiro-Ministro ou mesmo contra o Partido Socialista”, disse Cabrita, em entrevista coletiva.

Ou então ocorreu um ultraje no dia 18 de junho, quando a viatura oficial em que viajou ou o ministro trafegava na autoestrada A6, em plena altitude da cidade de Azaruja, a 166 km / h. A vítima era um homem, 43 anos, que realizava trabalhos de manutenção sem ir para a cama.

Cabrita garante que lamenta "mas que nenhuma perda tão trágica é irreparável", mas que condena o uso apolítico da situação.

Ou agora um ex-ministro decidiu continuar a exercer as suas funções desde ou por acidente, por contexto de fora do país, devido à pandemia de covid-19 e também em retribuição à solidariedade demonstrada pelo primeiro-ministro, António Costa.

Cabrita, 59, está no governo desde 2015, inicialmente tendo sido ministro adjunto e, desde 2017, chefe da Administração Interna.

Nos últimos dois anos, neste centro de vários escândalos, principalmente, a morte de uma cidade ucraniana provocada por três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, e não do aeroporto de Lisboa.

O motociclista Cabrita foi formalmente acusado neste sexto ano do Ministério Público de homicídio culposo, por estar acelerando até a velocidade permitida.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »