23/11/2021 às 19h10min - Atualizada em 24/11/2021 às 13h51min

Projeto Alma Brasileira encerra temporada de apresentações em escolas públicas do DF, nesta sexta (26)

SALA DA NOTÍCIA Verbo Nostro
Cinco músicos e educadores do Coletivo Educação pela Arte, que atuam em Brasília (DF), se reuniram para levar música e experimentação artística a estudantes do ensino público, na faixa de 12 a 16 anos. Trata-se do Projeto Alma Brasileira que encerra a temporada deste ano com o quarto encontro na próxima sexta-feira (26), no CEF 01, Varjão-DF, que fica na Vila Varjão do Torto, Quadra 07, Conjunto D, Lote 02, Setor de Habitações Individuais Norte. 

Nesta edição de 2021, o projeto tem duas importantes missões:  surpreender os alunos com uma vivência interativa e sensorial através da música e envolvê-los num processo de ressocialização após o distanciamento social durante a pandemia do novo Coronavírus. 

O Alma Brasileira existe desde 2005 e já foi realizado em mais de 30 países, entre eles: Egito, Síria, Líbano, Bélgica, Holanda, Irlanda, Suécia, Hungria, Azerbaijão, Jordânia, França, Moçambique, Nova Zelândia, Guatemala, além de em diversas cidades brasileiras – passando por universidades, escolas, conservatórios musicais e CEBs (Centros de Estudos Brasileiros no Exterior).  Em Brasília, a primeira experiência aconteceu em 2018. 


Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Segundo Nelson Latif, músico idealizador do Alma Brasileira, é ponto comum entre artistas e gestores da área da educação que os primeiros estímulos artísticos de crianças e jovens são fundamentais para seu desenvolvimento cognitivo, motor e humanístico. "O projeto tem um papel fundamental de formação dos estudantes, pois a exposição da arte de qualidade dentro dos espaços públicos de ensino é escassa em todo território nacional. Com isso, eles acabam tendo pouco acesso à produção cultural de seu país", explica.

Na contramão dessa realidade, os músicos envolvidos buscam despertar o interesse dos estudantes para a música e quem sabe até descobrir novos talentos. O percussionista Sandro Alves reforça que os participantes se encantam com os ritmos que marcam a cultura brasileira. "Usamos a arte como fio condutor para levar educação e uma nova conscientização sobre a importância da música. As crianças e adolescentes têm contato com instrumentos e com uma nova percepção de arte, o que ajuda muito na formação. E ainda aprendem e se divertem. Isso é maravilhoso", diz.

Temporada 2021


Neste ano, o Alma Brasileira, formado pelos músicos Ismael Rattis, Marcelo Lima, Nelson Latif e Sandro Alves, conta com a participação especial de Preto Breu, cantor e compositor do DF.

Composições do artista convidado estão sendo apresentadas aos estudantes, ao lado de outras do cancioneiro popular – como de Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga, Adoniran Barbosa, Egberto Gismonti, entre outros. A ideia é fazer uma viagem através da história da cultura brasileira. Choro, samba, frevo e alguns estilos só percussivos são mostrados nas oficinas de percussão, como o samba batucada e o ijexá. "Usamos nesta proposta de ensino a lição 'Paulo Freiriana´ de que ´educação é para todos´", comenta Preto Breu, que também é professor e tem forte identidade com as comunidades inseridas no projeto. O artista é uma referência para este público. 

"Esse trabalho é importante porque juntamos grandes profissionais com carreiras internacionais e os colocamos dentro das escolas de ensino médio e fundamental", enfatiza.  Para Preto Breu, inserir a cultura brasileira nestes espaços oferece mais que uma formação - "traz uma claridade e um significado para músicas que existem no Brasil, mostrando como é a alma brasileira. Estamos movimentando essa garotada e esperamos que eles despertem para as várias possibilidades da música - como movimento, profissão ou lazer".   

O músico e professor Ismael Rattis, que está há sete anos no projeto, diz que a experiência vai além da formação musical e se depara com a falta de professores de música dentro das escolas públicas. "Levamos uma proposta multidisciplinar e é possível envolver professores de todas as disciplinas. Tem sido muito gratificante", revela. Ele sinaliza uma outra importante função do projeto: a responsabilidade social. "À medida em que destrinchamos nossa história por meio da música, procuramos demonstrar como acontecem os processos étnicos no Brasil e como isso influencia a produção musical".


Outra constatação do grupo é o quanto a música pode trabalhar a criatividade e levar as pessoas para outros lugares que não o de conflitos, ao mesmo tempo em que gera reflexões. "A música tem forte relação com nosso dia a dia e com nosso arquivo identitário. Isso é encantador porque os ouvidos das pessoas se tornam mais críticos e mais atentos ao que está na paisagem sonora ao seu redor", ressalta Rattis.

O músico Marcelo Lima avalia que o Alma Brasileira faz, na verdade, um grande convite para um mergulho no universo da música.  "É uma experiência sonora marcante – um primeiro contato, quase de espanto, mas aí a gente percebe a admiração dos estudantes diante de um tamborim, por exemplo. A música faz parte do ser humano de forma integral e o transforma para sempre", finaliza.

Como funciona o projeto?


O Alma Brasileira promove concertos, palestras musicadas e oficinas de percussão. Para muitos estudantes, essa é a primeira apresentação musical que assistem, o que os sensibiliza. O objetivo   dos artistas é gerar um entendimento mais amplo sobre a cultura local e a miscigenação étnica que estão nas raízes da MPB.

O projeto conta com fomento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e da Secretaria de Cultura do Distrito Federal.

Mais informações sobre o projeto nos links:

https://www.youtube.com/watch?v=X2RzKQf9SGk&t=53s

https://www.youtube.com/watch?v=4Q0A3GALKeE

ARTISTAS DO ALMA BRASILEIRA 

Ismael Rattis
Percussionista e licenciando em Educação na UnB, percorreu o Brasil ministrando oficinas de percussão pelo Projeto Eu Faço Cultura, patrocinado pela Caixa Econômica Federal.

Marcelo Lima
Compositor e Bandolinista brasiliense, foi professor da Escola de Música de Brasília e da Escola de Choro Raphael Rabello. Um dos músicos mais atuantes na capital nacional e considerado um dos difusores do bandolim na cidade.

Nelson Latif
Músico, sociólogo (USP) e gestor cultural (UNC), trabalhou por 27 anos para a instituição Holandesa Uit de Kust, coordenando oficinas de percussão e de música brasileira para estudantes europeus. Dedica sua carreira especialmente à música instrumental brasileira.

Sandro Alves
Percussionista carioca radicado em Brasília há 10 anos, foi um dos fundadores e ritmista da Escola de Samba Tradição  desde criança.  Hoje, radicado em Brasília, trabalha com vários nomes do cenário musical brasiliense fazendo produções de CDs, DVDs e trilhas sonora para filmes.

MÚSICO CONVIDADO

Preto Breu

É artista, músico e compositor do DF. Autor de músicas como 'O Samba Funk do Tatubola', 'Greve Geral' e o Ijexá 'Bate Mão Bate Pé'. Participou várias vezes do Prêmio da Música da Rádio Nacional FM e foi destaque do Ano 2018 da Mostra SESC de Música. 

SERVIÇO 

O que: Projeto Alma Brasileira & Preto Breu

Quando: De 12 a 26 de novembro/2021

Próxima Agenda:

26/11 – 14h

CEF 01 | Varjão-DF

Vila Varjão do Torto, Quadra 07, Conjunto D, Lote 02, Setor de Habitações Individuais Norte.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »