10/07/2018 às 21h29min - Atualizada em 10/07/2018 às 21h29min

Raio Laser - 10/7 - Cara de Salvador

Pessoalmente ele não queria, mas parece que não vai ter jeito. O vice-prefeito Bruno Reis (DEM) vai ter realmente que encarar a campanha estadual deste ano como candidato na chapa de José Ronaldo

Tribuna da Bahia
Foto: Divulgação

Pessoalmente ele não queria, mas parece que não vai ter jeito. O vice-prefeito Bruno Reis (DEM) vai ter realmente que encarar a campanha estadual deste ano como candidato na chapa do pré-candidato do DEM ao governo, José Ronaldo. É o que se fala abertamente no DEM e na Prefeitura de Salvador, onde a avaliação, assim como nos meios políticos e de aliados dos democratas, é de que ele pode dar a cara do prefeito à chapa do pré-candidato a governador, o qual, segundo os últimos levantamentos eleitorais, tem um dos seus flancos exatamente na capital baiana, onde Neto nada de braçada. Agora, só falta definir se Bruno sairá à vice ou a uma das vagas de senador na chapa.

Projeção

Para os defensores da candidatura de Bruno Reis na chapa de José Ronaldo, ele não perde nada concorrendo à vice ou ao Senado. Pelo contrário, pode acabar se projetando bastante, principalmente na capital baiana, cuja Prefeitura pretende disputar em 2020, para tanto contando com o apoio do prefeito ACM Neto, que não esconde sua intenção de ninguém.

Mesma tese 

O PSC continua insistindo na tese de que o deputado federal Irmão Lázaro deve ser candidato ao Senado na chapa do pré-candidato do DEM ao governo, José Ronaldo, apesar de todas as evidências de que, nesta posição, ele não agrega votos para a chapa, podendo apenas usar a todos que a integram para se eleger senador pela Bahia sem qualquer compromisso com o grupo do prefeito ACM Neto (DEM).

Rejeitam, não!

Ontem, em entrevista à Rádio Câmara, da Câmara Municipal de Salvador, Heber Santana, presidente do PSC, negou que Irmão Lázaro e o partido rejeitem a proposta de José Ronaldo de concorrer à sua porque não acreditem na eleição do pré-candidato do DEM ao governo, preferindo o conforto e as oportunidades que a candidatura ao Senado lhe conferem.

Aonde

Conforme Heber Santana fez questão de assinalar, ninguém que se submete a uma eleição tem qualquer garantia de que pode ganhar, o que só ocorre quando as urnas são abertas e a eleição apurada, motivo porque, alegou, ninguém tem o direito de dizer que Irmão Lázaro não quer concorrer como vice simplesmente porque não acredita na eleição de José Ronaldo.

Preocupação

Deputados petistas andam preocupados com a solução que alguns aliados do governo estão propondo para disputar as eleições proporcionais. Alegam que têm o governo, mas mandam tão pouco nele que não há como o partido abrir mão de eleger seus parlamentares para favorecer quem quer que seja na disputa das vagas à Assembleia Legislativa e à Câmara dos Deputados.

 

Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual (clicando na capa do jornal que está na home do site).  


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »