19/10/2021 às 16h54min - Atualizada em 20/10/2021 às 07h01min

Retorno gradual aos escritórios exige que cuidados sejam tomados

Fatores relacionados à saúde coletiva, produtividade e bem-estar do colaborador são cruciais no planejamento da retomada do trabalho presencial.

DINO
https://www.solarfacilitacoes.com.br/


Com o avanço da vacinação, é possível notar o gradual retorno de inúmeras atividades em espaços coletivos, ainda que com restrições e manutenção de medidas de prevenção à covid-19. Da mesma forma, as empresas estão se preparando para a retomada do trabalho presencial, que idealmente deve ser feita de forma gradual, já que a pandemia não acabou e o número de pessoas totalmente imunizadas no Brasil até o momento equivale a 45% da população. 

Porém, a segurança dos colaboradores em relação ao novo coronavírus, que é sem dúvida uma grande preocupação, não deve ser a única a embasar um retorno bem planejado aos escritórios. Quando a pandemia começou, muitos foram lançados a uma nova realidade sem nenhum preparo, e contra isso nada se podia fazer. O impacto exigiu de todos uma capacidade ímpar de adaptação e enfrentamento, e atender a essa exigência teve um preço.

Os últimos 18 meses de home office trouxeram à tona questões como os prós e contras dos esquemas de trabalho em casa ou híbrido (que está sendo considerado tendência para o pós-pandemia) e a atenção à saúde mental dos colaboradores. 

Com a pandemia, as empresas saíram dos escritórios e aderiram ao home office de forma abrupta e sem qualquer possibilidade de escolha. Nesse exato momento, já é possível receber alguns feedbacks de pessoas que retornaram aos escritórios e questionam que as medidas oferecidas pela empresa ficam na esfera do espaço físico e higienização conforme a regulamentação, entretanto, já demonstram insatisfação por não terem tido tempo disponível para planejar o retorno, sem qualquer cuidado com a mudança, com as necessidades da família e da casa que que abrigou por mais de um ano e meio as questões da empresa.

O retorno súbito ao trabalho presencial, que não considera essas novas implicações e que lança as pessoas de volta ao antigo sistema sem que elas sejam ouvidas a respeito, definitivamente, não parece ser o melhor método.

Voltando ao normal? 

Duas pesquisas realizadas por renomadas instituições revelam realidades que parecem incompatíveis quando se pensa na dicotomia trabalho presencial versus home office. 

Segundo a apuração feita pela Korn Ferry, empresa global de consultoria organizacional Korn Ferry, 70% dos profissionais acham que home office é o novo normal e que retornar ao escritório será "difícil". Mais da metade dos respondentes diz que pensar em voltar ao escritório é causa de estresse, mas ao mesmo tempo sente que a distância física pode comprometer seu desenvolvimento profissional.

Por outro lado, a pesquisa feita pela Fundação Dom Cabral em parceria com a Grant Thornton e a Emlyon Business School mostra que, apesar do aumento de produtividade indicado por mais de 58% dos respondentes, para muitos a experiência do home office implicou também em maior carga horária, dificuldades de relacionamento com colegas de trabalho e maior desequilíbrio entre demandas pessoais e profissionais.

“Equalizar tantas variáveis quanto as contidas no processo de retorno ao trabalho presencial requerem métodos e diálogos entre RH e colaboradores. O objetivo é chegar à solução mais adequada a cada área da empresa sem deixar de lado possíveis questões surgidas durante o trabalho remoto, como aumento de horas trabalhadas e o ambiente em que cada pessoa entrega o seu melhor com qualidade de vida”, comenta Rodrigo Carnielli, sócio da Solar Facilitações, empresa de consultoria em gestão de mudança. 

Mente em equilíbrio

Quando o assunto é saúde mental, os profissionais de RH reconhecem que as empresas precisam estar mais atentas. 

Dados levantados pela Kenoby, software de recrutamento e seleção, demonstram que 71% das organizações não possuem uma área ou pessoa dedicada ao tema e que 53% dos entrevistados não souberam dizer em quanto tempo a empresa pretende investir na área.

“Claro que a tensão inerente à situação pandêmica teve grande impacto na saúde mental das pessoas, mas não se pode desconsiderar aspectos relacionados às novas configurações do trabalho, seja ele remoto ou presencial. A cultura organizacional e o senso de unidade são importantes, mas ao final do dia, é cada um, em sua individualidade, que processa as vivências e devolve o resultado ao ambiente em que atua”, explica Bruno Zia, sócio da Solar Facilitações.  

Os efeitos que certas dinâmicas corporativas têm sobre a saúde mental não são novidade. Falta de espaço para expressar opiniões, assédio moral ou metas difíceis de se atingir são velhos conhecidos e figuram entre os principais motivos que levam a problemas emocionais. O contexto atual deve servir para que mudanças estruturais sejam, de fato, viabilizadas e promovam ambientes de trabalho mais saudáveis.



Website: https://www.solarfacilitacoes.com.br/
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »