05/07/2018 às 20h30min - Atualizada em 05/07/2018 às 20h30min

Tarifas dos EUA contra a China começam no 1º minuto de sexta

Agência O Globo -
Agência O Globo -
O presidente da China, Xi Jinping (Foto: Johannes Eisele/Getty Images)

WASHINGTON - O presidente Donald Trump confirmou que as tarifas a US$ 34 bilhões de importações chinesas começariam no primeiro minuto de hoje. A medida é o maior ataque até hoje da guerra comercial. que cumpre uma promessa política que pode provocar reações e prejudicar a economia global.

Trump acrescentou que impostos a mais US$ 16 bilhões de bens podem estar a caminho em duas semanas, antes de sugerir que o total final poderia, eventualmente, chegar a US$ 550 bilhões — montante que excede as exportações anuais da China aos EUA.

 

As novas taxas de 25% valem para produtos chineses que vão de arados a semicondutores e peças de aviões. É a primeira vez que os EUA adotam tarifas diretamente direcionadas à China, após meses de acusações de roubo de propriedade intelectual americana e de aumentar injustamente o déficit comercial americano.

A aposta econômica mais arriscada de Trump na presidência poderia se espalhar, agora que entra na perigosa fase de impor custos diretos a empresas e consumidores em todo o mundo. A China prometeu retaliar em itens que vão de soja a carne de porco, o que pode fazer Trump a elevar ainda mais as barreiras.

:

 

— Uma vez que essas tarifas comecem a entrar em prática, fica bem claro que o conflito é real — disse Robert Holleyman, ex-vice-representante de Comércio de Barack Obama e agora sócio do escritório Crowell and Moring. — Se não encontrarmos uma saída, isso vai acelerar como uma bola de neve descendo uma ladeira.

Recentes tarifas americanas sobre aço e alumínio puseram em lados opostos aliados ricos e fizeram com que Canadá e União Europeia reagissem.

 

Empresas americanas icônicas como a Harley-Davidson estão entre as que devem ser afetadas. A fabricante de motos disse que pode tirar a produção dos EUA para evitar os impostos europeus sobre seus produtos.

Empresas americanas que vão de Apple e Walmart à General Motors operam na China, onde querem crescer. Isso dá espaço para o presidente chinês Xi Jinping impor mais barreiras regulatórias caso Trump leve adiante a ameaça de tarifas maiores ao país asiático.

 

 

O impacto das tarifas de US$ 34 bilhões serão “um tanto pequenos”, avalia Ethan Harris, chefe de pesquisa econômica global no Bank of America Merrill Lynch. Mas ele não “vê esta guerra acabando até que haja ‘baixas’”.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »