27/01/2019 às 14h36min - Atualizada em 27/01/2019 às 14h36min

Aljamain Sterling conta origem de rixa com Jimmie Rivera e provoca: "Deixa a mulher falar por ele"

Lutador peso-galo diz que compatriota rival tem inveja dele e se sente a uma ou duas lutas de disputa do cinturão, mas admite que vencedor entre Marlon Moraes x Raphael Assunção é próximo desafiante nº1

Adriano Albuquerque — Rio de Janeiro
Josh Hedges/Getty Images

O lutador nova-iorquino Aljamain Sterling é um dos destaques do peso-galo no UFC na atualidade. Sétimo colocado no ranking, o "Funk Master" venceu suas últimas duas lutas e tem pela frente um confronto importante para suas pretensões de título: Jimmie Rivera, quarto colocado do ranking, no dia 17 de fevereiro, no UFC Phoenix.

A rivalidade entre os dois compatriotas vem de muito antes de seu tempo no Ultimate. Rivera é natural do estado de Nova Jersey, vizinho a Nova York, e os dois lutadores estavam no mesmo circuito regional nos seus primeiros anos no MMA.

- Jimmie e eu devíamos lutar desde os dias de circuito regional. Tentaram me fazer enfrentá-lo saindo de uma cirurgia, quando éramos promessas. Eu tive minha chance no UFC, ele perdeu na casa do TUF (Nota do editor: Rivera tentou vaga no TUF 14 e foi eliminado na primeira luta) e meio que ficou para trás na fila. Acho que ele tem um pouco de inveja que meus músculos são maiores que os dele, e pelo meu cabelo - provoca Sterling, em entrevista via "Skype" para o Combate.com.

A rixa entre os dois se estendeu até o UFC, e o americano descendente de jamaicanos vinha pedindo pela chance de enfrentar Rivera há algum tempo. As estrelas enfim se alinharam, e Sterling não perde a oportunidade de promover o combate com espetada atrás de espetada. Ele acusa o adversário de não ter a mesma sagacidade e depender de outra pessoa para esquentar os ânimos.

- Eu dou meus jabs sutis aqui e ali. Mas a diferença entre nós é que eu falo por mim, e ele deixa a mulher falar por ele. Ele fica só parado vendo acontecer, nunca vi algo assim. É a vida, ela pode falar assim porque o marido dela é lutador, ele que tem que ir lutar com esses caras - dispara.

Há outro motivo para Sterling estar pedindo o combate há tanto tempo: ele acredita que o confronto de estilos o favorece, especialmente hoje, com mais tempo de treinamento para aperfeiçoar sua trocação.

- Acho que o grappling dele não está nem perto do meu nível. Sua trocação é muito repetitivo, e acho que ele é o mesmo lutador desde o circuito regional. Ele faz tudo bem, mas nada muito extraordinário ao ponto de eu dizer que tenho que me preocupar com isso. Ele tem potência, mas sou o homem maior e tenho uma trocação não ortodoxa, acho que essa vai ser a diferença - explica.
 

Aljamain Sterling já venceu Augusto Tanquinho (de costas na foto) e Renan Barão no UFC — Foto: Getty Images

Aljamain Sterling já venceu Augusto Tanquinho (de costas na foto) e Renan Barão no UFC — Foto: Getty Images

Aljamain Sterling já venceu Augusto Tanquinho (de costas na foto) e Renan Barão no UFC — Foto: Getty Images

Aljamain Sterling já venceu Augusto Tanquinho (de costas na foto) e Renan Barão no UFC — Foto: Getty Images

Aljamain Sterling já venceu Augusto Tanquinho (de costas na foto) e Renan Barão no UFC — Foto: Getty Images

Com quatro vitórias nas últimas cinco lutas, Sterling se vê bem próximo de uma disputa de cinturão, e diz que deveria ser o desafiante número 1 ou em sua próxima luta, ou com mais uma vitória. À sua frente, porém, estão os dois últimos homens a batê-lo no MMA: Raphael Assunção e Marlon Moraes, que se enfrentam no próximo sábado em Fortaleza. O americano admite que o vencedor entre eles deve enfrentar TJ Dillashaw pelo título em seguida, e vê um duelo muito equilibrado entre os dois na capital cearense.

- Acho que o Marlon tem mais formas de acabar a luta, com bons chutes na cabeça. Seu switch kick (chute com a base trocada) é que é difícil. Ele acertou o mesmo golpe no Jimmie Rivera. Ele joga o chute parecido com a forma como eu jogo, jogando o joelho na frente. Você tem que tomar cuidado para não tomar uma joelhada quando ele joga o chute. O Assunção é paciente, tem bom boxe, não joga muitas combinações, mas sabe como ser um matador. Vai ser definido por quem acertar primeiro - analisa.

UFC Phoenix
17 de fevereiro de 2019, no Arizona (EUA)
CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília):
Peso-pesado: Francis Ngannou x Cain Velásquez
Peso-leve: James Vick x Paul Felder
Peso-palha: Cortney Casey x Cynthia Calvillo
Peso-pena: Kron Gracie x Alex Caceres
Peso-meio-médio: Bryan Barberena x Vicente Luque
Peso-pena: Myles Jury x Andre Fili
CARD PRELIMINAR (19h30, horário de Brasília):
Peso-galo: Jimmie Rivera x Aljamain Sterling
Peso-galo: Benito Lopez x Manny Bermudez
Peso-mosca: Andrea Lee x Ashlee Evans-Smith
Peso-leve: Scott Holtzman x Nik Lentz
Peso-palha: Jessica Penne x Jodie Esquibel
Peso-galo: Renan Barão x Luke Sanders
Peso-palha: Alexandra Albu x Emily Whitmire
 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »