11/03/2020 às 11h18min - Atualizada em 11/03/2020 às 11h18min

Lula: "Por que a Fiesp não vai agora colocar patinhos e cobrar Bolsonaro?"

Ex-presidente falou sobre a economia brasileira em ato para cerca de 500 pessoas em Berlim, nesta terça-feira

Ab Noticia News
Ana Paula Lisboa correio braziliense
(foto: Ana Paula Lisboa/CB/D.A Press)
Berlim  Em ato público na noite desta terça-feira (10/3), o ex-presidente Lula reuniu cerca de 500 pessoas no espaço de eventos Festsaal Kreuzberg na capital alemã. O encontro durou cerca de uma hora e meia, com o ex-presidente discursando por um hora. Ovacionado pela plateia, composta por brasileiros, alemães, chilenos e outros estrangeiros, o político abordou os desafios que se impõem à democracia atualmente e deu, inclusive, recomendações à gestão do presidente Jair Bolsonaro.
 
Para Lula, a recuperação econômica requer que o governo não aposte apenas em conter gastos e passe a investir no país. “Se essa gente que está governando o Brasil quiser resolver o problema do Brasil, só tem um jeito. Não adianta jogar a culpa em cima da China, não adianta jogar a culpa no coronavírus porque o Brasil é um país grande, com 210 milhões de habitantes e um mercado consumidor extraordinário”, afirmou.
“Se a gente quiser recuperar a economia brasileira, é preciso que o governo faça investimento, como eu fiz”, sugeriu, apontando a atitude que tomou frente à crise de 2008. “O governo que coloque investimento e infraestrutura porque, na hora que o governo investe, as pessoas podem começar a acreditar e podem começar a investir”, explicou. “Se o governo não acabar com a política de contenção de gastos que ele está fazendo, se o governo não parar de acumular dinheiro para pagar a taxa de juro, e se o governo não colocar dinheiro para investir no desenvolvimento, sobretudo com obra de infraestrutura, o Brasil não vai se recuperar tão cedo”, apontou.
 
Ele aproveitou também para “cutucar” o empresariado brasileiro. “Por que a Fiesp não vai agora colocar patinhos e cobrar o presidente Bolsonaro sobre quem vai pagar o pato?”, questionou. O ex-presidente cobrou também investimentos em educação, ressaltando que o Brasil demorou a dar atenção a essa temática, sendo o último país da América do Sul a passar a ter universidade. "Nós estamos vendo a política de destruição da democracia. Nunca a educação sofreu o que sofreu agora", refletiu.
Por volta das 18h, a reportagem contou cerca de 150 pessoas na fila à espera de poder entrar no eventoAna Paula Lisboa/CB/D.A Press

Por volta das 18h, a reportagem contou cerca de 150 pessoas na fila à espera de poder entrar no eventoAna Paula Lisboa/CB/D.A Press

 

Período na prisão

Durante os 580 dias em que ficou preso, Lula relatou que foi abordado com propostas para reduzir a pena ou para cumprir tempo em casa a partir de negociações. “Eu não aceito liberdade do jeito que vocês estão propondo, porque eu não troco minha dignidade pela minha liberdade”, disse.
 
Para os que acreditam que a democracia está sob ameaça no Brasil, ele disse que não há outra alternativa a não ser lutar por ela, saindo às ruas, por exemplo. “Eu ainda acho que o povo vai lutar muito pela democracia”, afirmou
 
Questionado sobre se tem planos para concorrer às eleições de 2022, Lula não respondeu. O petista relembrou glórias do passado e se declarou orgulhoso de ter contribuído com a eleição da primeira mulher "presidenta da República" do Brasil, referindo-se à Dilma Rousseff. 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp