04/01/2020 às 20h44min - Atualizada em 04/01/2020 às 20h44min

Scarlett Johansson lamenta ter sido hipersexualizada

Descubra qual a beleza que Deus quer que você tenha

Ab Noticia News
Folha Universal
Reprodução

A atriz mais bem paga do mundo não se orgulha completamente de sua carreira. Ao contrário, em entrevista ao site americano The Hollywood Reporter, Scarlett Johansson (34) revelou que não gostou de alguns trabalhos realizados.

Isso porque, na transição de sua carreira de atriz-mirim para atriz-adulta, Johansson trabalhou em muitos filmes que exploraram sua sensualidade.

“Foi realmente difícil para mim tentar descobrir como deixar de interpretar a ‘ingênua’ ou a ‘outra mulher’”, relatou.

A atriz declarou que, embora tentasse se afastar de papéis focados na beleza física, a indústria cinematográfica de Hollywood acabou criando para ela essa persona “bonita, sensual”, rotulando a atriz.

“Sinto que quando eu estava trabalhando com 20 e poucos anos, ou até mesmo depois, de alguma forma, fui estigmatizada. Eu fui muito hipersexualizada”, contou. “Mesmo que não fizesse parte da minha própria narrativa, a hipersexualização foi criada para mim por, provavelmente, um monte de ‘caras’ na indústria”.

Dessa maneira, a mulher que é vista pelo mundo inteiro como o “modelo a ser seguido” se arrepende grande parte de suas escolhas. De acordo com ela, se fosse hoje em dia, teria recusado diversos papéis em que aparecia apenas para mostrar seu corpo. 

Sem saber disso, milhões de mulheres acreditam que seguir o “padrão Scarlett Johansson” trará a felicidade. Estão enganadas. E a prova é que a própria atriz está arrependida de ter feito esses trabalhos. 

Aparência enganosa 

Várias revistas de moda, vários designers, pessoas famosas, televisão, a mídia, todo mundo tem uma opinião do que é bonito, do que é uma boa aparência”, afirmou Cristiane Cardoso durante o Curso de Autoconhecimento. “Então normalmente nós ouvimos por aí que a pessoa tem que ser alta, magra. A mulher tem que ter o rosto com a pele muito bonita, brilhosa, uma pele iluminada. Tem que ter o olho um pouco maior. Ter a boca maior também, o rosto mais afinado para aparecer uma bochecha mais elegante. Tem que ter o rosto longo, as pernas grossas e por aí vai. Nós ouvimos isso, nós vemos isso. Ninguém precisa falar, mas todas nós sabemos o que é bonito para o mundo”. 

Todavia, conforme ela mesmo explica, o que é “bonito para o mundo” raramente é o que realmente importa. Ao contrário, esforçar-se tanto para se encaixar nesse padrão absurdo e inalcançável faz com que muitas mulheres se menosprezem. Elas acreditam que não são felizes por não serem tão bonitas quanto a Scarlett, por exemplo. Mas, a verdade é que elas já são lindas, mas estão cegas para a própria beleza e acabam abrindo mão da felicidade. 

O que Deus vê

“Essa aparência que você vê com seus olhos, Deus não olha para isso. Deus não vê isso, não se interessa, não se importa com isso. Quem se importa com isso é quem vive aqui e é levada a pensar nessas coisas que vemos com os olhos”, afirma Cristiane. “Deus vê no lugar que ninguém vê. Aqueles pensamentos, aquelas intenções, aquelas vontades, aqueles sentimentos que ninguém vê, que ninguém sabe. É isso o que Deus vê”. 

Quando Deus olha para alguém, Ele não se importa com a beleza física, mas a beleza da alma. “Você vê muitas pessoas fazendo tudo para chamar atenção dos olhos dos outros. E até têm atenção das pessoas. Mas, para chamar a atenção de Deus, a beleza tem que estar dentro”, conclui Cristiane. 

Você também pode realizar gratuitamente o Curso de Autoconhecimento, para isso, basta clicar aqui.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »