20/10/2022 às 18h32min - Atualizada em 20/10/2022 às 18h32min

Depois do coronavírus, próxima pandemia pode vir das geleiras em derretimento, alerta estudo

Análise de lago no Ártico sugere que vírus e bactérias presos no gelo podem "despertar" e infectar a vida selvagem, com potencial para se espalhar entre humanos como a covid-19

AB Notícias News
Um Só Planeta
Getty Images

Um novo estudo sugere que a próxima pandemia viral pode emergir do Ártico, em meio ao derretimento das geleiras causadas pelas mudanças climáticas, aumentando os riscos de um "próximo" ebola, gripe ou SARS-CoV-2 chegar mais cedo do que o previsto pelos especialistas, indica um novo estudo.

Na tentativa de identificar os vírus presentes no ambiente, pesquisadores analisaram sedimentos do Lago Hazen, um lago de água doce na parte norte da Ilha Ellesmere, no Canadá (norte do Círculo Polar Ártico). Os cientistas sequenciaram segmentos de DNA e RNA encontrados no solo e usaram um algoritmo de computador para entender como os vírus estão relacionados aos hospedeiros de animais, plantas e fungos presentes na área. Após a análise, a equipe aprendeu sobre o risco de "transbordamento viral".

O risco é basicamente a capacidade de os vírus alcançarem novas espécies hospedeiras e, eventualmente, continuarem se espalhando – semelhante ao que o mundo viu durante a disseminação inicial do vírus causador da covid-19.
 

Em artigo publicado no periódico científico "Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences", os pesquisadores escreveram: "O risco de transbordamento aumenta com o escoamento do derretimento das geleiras, intensificado pelas mudanças climáticas. No norte, o Alto Ártico pode se tornar um terreno fértil para pandemias emergentes", diz o texto.

Os pesquisadores também compararam o caminho evolutivo de vírus e hospedeiros. Eles buscaram descobrir quais são as variações e semelhanças entre os dois. A comparação pode ajudar os especialistas a entender a possibilidade de uma mudança no status quo e o subsequente transbordamento viral, analisa o Guardian.

"Do ponto de vista evolutivo, os vírus são mais propensos a infectar hospedeiros filogeneticamente próximos de seu hospedeiro natural, potencialmente porque é mais fácil infectar e colonizar espécies geneticamente semelhantes", escreveram os pesquisadores no artigo.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Ab Noticias  News Publicidade 1200x90
Mande sua denuncia, vídeo, foto
Atendimento
Mande sua denuncia, vídeo, foto, pra registrar sua denuncia