14/10/2022 às 14h51min - Atualizada em 14/10/2022 às 20h02min

Como acabar com o etarismo nas empresas

Integrar a intergeracionalidade nas organizações é o principal caminho para sair do etarismo

SALA DA NOTÍCIA Luiz França
Divulgação

São Paulo, outubro de 2022 - O aumento da expectativa de vida trouxe um novo panorama para a sociedade e, consequentemente, para o mercado de trabalho. Mais pessoas acima dos 45 anos passaram a estar empregadas e, com elas, um tipo de preconceito ganhou força nos corredores das empresas: o etarismo, que, entre outras coisas, condiciona à idade o desempenho e a capacidade de desenvolver atividades.

Um levantamento feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que aproximadamente 13% da população brasileira tem mais de 60 anos, e a previsão é que, em 2031, o país tenha mais idosos do que jovens e adolescentes. Se olharmos um pouco para trás, o aumento da expectativa de vida impressiona: em 1940, era de 45,5 anos, enquanto, em 2020, já havia saltado para 76,8 anos.

O país está ficando cada vez mais “velho” e, embora vejamos o preconceito crescer no mercado de trabalho, a neurociência nos mostra que a presença de pessoas com mais bagagem é positiva para as empresas. Estudos comprovam que o aprendizado constante molda o cérebro a partir da neuroplasticidade cerebral - ou seja, quanto mais exercitamos as nossas funções cognitivas, mais capazes nos tornamos de lidar com as situações do dia a dia.

Ao mesmo tempo em que presencia o envelhecimento dos trabalhadores, o mundo corporativo está tendo que lidar com o estabelecimento da Geração Y e com a chegada da Geração Z, para a qual, de modo geral, também não está preparado. Marcante pelo modernismo, protagonismo e espírito empreendedor, a Geração Z tem sede de alcançar lugar de destaque nas empresas, de transformar o ambiente de trabalho por não aceitar horários rígidos nem ambientes com formatos ultrapassados.

Mas o que as empresas precisam colocar em prática para não perder espaço, diante deste cenário tão controverso? Não existe empresa sem pessoas, por isso digo que o melhor caminho para seguir é a união das gerações. A idade permite que você construa competências, o amadurecimento traz experiências e resiliência, a pessoa mais velha traz consigo o networking natural e o conhecimento adquirido ao longo da vida. Já o jovem carrega a modernidade, a facilidade de se comunicar, busca autonomia, é entusiasta e desapegado, ao mesmo tempo em que mantém os pés no chão.

A diversidade que buscamos dentro das empresas deve ultrapassar a barreira da idade. Pessoas diferentes promovem ideias, pensamentos e experiências diferentes. Fica cada vez mais evidente que a formação de times múltiplos, com perfis, gêneros, orientações sexuais, raças e faixas etárias diversas, gera melhores resultados e entregas mais completas. Estamos caminhando para uma mudança total nos modelos de trabalho e na forma de olhar para a sociedade. E ainda teremos uma grande aceleração nessa tomada de consciência.

Então como não incluir a intergeracionalidade na pauta da diversidade corporativa? Como desprezar a bagagem de alguém que presencia as mudanças do mundo há mais de quatro décadas? Os mais jovens podem e devem aprender constantemente com os mais velhos, assim como os mais velhos podem e devem aprender constantemente com os mais jovens. Promover a integração e o convívio das gerações é a solução para acabar o etarismo. É a única forma de os líderes acabarem com o preconceito no mercado de trabalho.


*Luiz França é especialista em Gestão de Pessoas, humanizador de empresas e autor do livro “Cultura de confiança: A arte do engajamento para times fortes e que geram resultados”.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Ab Noticias  News Publicidade 1200x90
Mande sua denuncia, vídeo, foto
Atendimento
Mande sua denuncia, vídeo, foto, pra registrar sua denuncia