13/10/2022 às 14h15min - Atualizada em 14/10/2022 às 00h00min

Pessoa com deficiência segue em destaque no Festival Acessa BH que vai até 31 de outubro

Festival chega em seu segundo mês e traz a estreia nacional do espetáculo AVE, inspirado em questões provocadas pela comédia “As Aves”, de Aristófanes

SALA DA NOTÍCIA Karina Mancini
ATTi Comunicação

A segunda edição do Festival Acessa BH segue em cartaz online e gratuito até 31 de outubro. Um dos destaques é a  estreia nacional do espetáculo, que transita entre a dança e o teatro,  AVE, no dia 24 de outubro no canal Acessa BH no Youtube. Livremente inspirado em questões provocadas pela comédia “As Aves”, de Aristófanes, a montagem investiga jornadas individuais e coletivas na fundação de novas lógicas sociais, novas relações e uma nova realidade.

Mergulhando no universo de cores, sons e movimentos dos pássaros, o trabalho explora linguagens diversas como o cabaré, a dança contemporânea e a comédia popular. A montagem de AVE é da Cia Ananda de Dança Contemporânea e do Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados é resultado do encontro de suas respectivas diretoras, Anamaria Fernandes e Juliana Barreto, na edição passada do Acessa BH.

Partindo de perguntas e de uma reflexão cotidiana sobre sua própria condição e os diferentes olhares que recebe, Giovanni Venturini criou uma ação performativa que traz pílulas poéticas abordando a questão do nanismo como dispositivo para a criação, na peformance “A Não Ser”, que será exibido online no dia 25 de outubro.

Já no dia 26  é a vez de Cartas para Irene de Oscar Capucho. O trabalho fala sobre memória e saudade e se estrutura a partir de cartas escritas por Oscar Capucho à sua mãe, falecida em abril de 2012. Oscar Capucho é dançarino e ator. Ficou cego aos 9 anos devido a um descolamento de retina. Neste espaço-tempo que marca a transição entre o mundo permeado por imagens e um outro, no início obscuro, permeado de incertezas, Oscar descreve com muita emoção o papel que Irene, sua mãe, teve em sua vida.

 

Dos palcos do Theatro Municipal de São Paulo para as telas do Acessa BH

No dia 27 de outubro, quinta-feira, às 20h, é a vez de Mona Rikumbi abrilhantar a programação do Festival.  A atriz, poeta, performer e modelo é ativista nas questões raciais, de gênero, de manutenção das tradições africanas e no protagonismo dos artistas com deficiência e na moda acessível. Além disso, é a primeira mulher negra e cadeirante a atuar no Theatro Municipal de São Paulo.

A artista apresentará o monólogo, Salve a Força Dos Ventos, acompanhada pelo percussionista Adetayo Ariel. De natureza étnica Bantu e textos autorais, a performance traz a perspectiva da cura, onde de forma lúdica "Matamba", Divindade Afro Bantu, leva para longe, com seus Ventos, todo mal do mundo. O acesso é pelo pelo canal do Acessa BH no Youtube.

Para encerrar o Festival no dia 31 de outubro será exibido  HÚMUS: espetáculo de dança que nos coloca em contato com a nossa condição humana, marcada pelo eterno ciclo de nascer, morrer e renascer. Frente às diversidades humanas presentes em cena, vê-se tanto as diferenças dos corpos quanto a transcendência do que nos iguala. Húmus - Do fim ao começo…


Programação - Espetáculos online – disponíveis em www.youtube.com/AcessaBH

13/10 – 20h – Frida - Vanessa Cornélio (SP) - Duração: 12 minutos

Como uma pessoa com deficiência pode se estabelecer na arte? Como a sociedade, de modo geral, entende, recebe e se relaciona com tantas pessoas que coexistem juntas, em suas muitas e diferentes necessidades? Estas são algumas inquietações presentes em “Frida”, performance artística digital. A atriz e comunicóloga Vanessa Cornélio empresta sua pele a Frida Kahlo, celebrada artista mexicana, em um texto criado a partir de cartas, seu diário e mesmo citações em reportagens da época que ela viveu. Em suas semelhanças e individualidades, Frida e Vanessa compartilham sonhos, dores e desafios: como viver neste nosso mundo em um corpo com deficiência? Para além da performance, Vanessa traz depoimentos pessoais que se confundem com a trajetória de Frida, com falas potentes sobre as múltiplas e diversas questões que perpassam o cotidiano das pessoas com deficiência.


17/10 – 19h - Live com artistas Giovanni Venturini, Vanessa Cornélio e Mona Rikumbi

(Apresentação Brisa Marques) - Duração: 60 minutos


24/10 – 20h – Ave – Cia Ananda e Sapos e Afogados - Duração: 20 minutos

Ave é um documentário-espetáculo que traz fragmentos e depoimentos da criação “Ave”, composta por artistas da Ananda Cia de Dança Contemporânea e do Núcleo de Criação e Pesquisa Sapos e Afogados. Este trabalho inédito compartilha registros de gestos, sons e palavras que atravessam e constituem a construção de um espetáculo híbrido de dança e teatro. São com voos, revoadas, quedas, cantos e fúria que, poeticamente, os artistas questionam o lugar da arte na nossa sociedade e como esta tem lidado com corpos loucos e corpos violentados.


25/10 – 20h - A Não Ser - Giovanni Venturini (SP)  - Duração: 28 minutos

Partindo de perguntas e de uma reflexão cotidiana sobre sua própria condição e os diferentes olhares que recebe, Giovanni Venturini criou uma ação performativa que traz pílulas poéticas abordando a questão do nanismo como dispositivo para a criação. A apresentação tem momentos narrativos e performativos, a fim de contextualizar o universo explorado pelo artista. Além do viés da acessibilidade, o espetáculo busca provocar uma reflexão sobre a identidade única de cada ser humano e assim facilitar o processo de aceitação de suas diferenças.

26/10 – 20h – Cartas para Irene - Oscar Capucho (MG) - Duração: 60 minutos

“Cartas para Irene” é um trabalho que fala sobre memória e saudade e se estrutura a partir de cartas escritas por Oscar Capucho à sua mãe, falecida em abril de 2012. Oscar Capucho é dançarino e ator. Ficou cego aos 9 anos devido a um descolamento de retina. Neste espaço-tempo que marca a transição entre o mundo permeado por imagens e um outro, no início obscuro, permeado de incertezas, Oscar descreve com muita emoção o papel que Irene, sua mãe, teve em sua vida.

27/10 – 20h - Kiuá Matamba – Salve a Força dos Ventos - Mona Rikumbi (SP) - Duração:

32 minutos

Monólogo da artista Mona Rikumbi, acompanhada pelo percussionista Adetayo Ariel. Utilizando cânticos e toques do Ngoma (tambores) com referências de natureza étnica Bantu e textos autorais, a performance traz a perspectiva da cura, onde de forma lúdica "Matamba", Divindade Afro Bantu, leva para longe com seus Ventos, todo mal do mundo. Sobre: fome, racismo, sexismo, capacitismo, medo, guerra, morte…

31/10 – 20h – Húmus – Coletivo. Direção Renata Mara (MG) - Duração: 50 minutos

Substância orgânica amorfa que fertiliza a terra – HÚMUS: espetáculo de dança que nos coloca em contato com a nossa condição humana, marcada pelo eterno ciclo de nascer, morrer e renascer. Frente às diversidades humanas presentes em cena, vê-se tanto as diferenças dos corpos quanto a transcendência do que nos iguala. Húmus - Do fim ao começo…

Programaçã– Atividades formativas online (Debates no canal do www.youtube.com/AcessaBH)

Debate 4 - Encontro com Artistas

Quando: Dia 19/10, quarta-feira, às 19h 

Artistas com deficiência compartilham suas experiências

Brenda Martins – Atriz surda e negra. Integrante do Grupo Signatores, grupo composto por atores surdos

Renata Mara – Artista de dança, docente, pesquisadora e psicóloga com baixa visão.

Mediação: Brisa Marques – Artista, escritora, letrista e jornalista

Oficinas

Oficina #ForadaCaixa - Acessibilidade Criativa para Projetos Culturais

Ementa: A oficina tem como objetivo inspirar e desenvolver estratégias criativas de acessibilidade para projetos culturais alinhados aos fundamentos técnicos da área. Inicialmente, serão apresentados os fundamentos da acessibilidade comunicacional, do Desenho Universal e dos princípios da acessibilidade criativa e artística. Em seguida, será construída uma demonstração de proposta acessível para um projeto cultural imaginário.  As aulas serão conduzidas mesclando a teoria com o relato de experiências.

Ministrante: Andreza Nóbrega

Doutoranda em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC com pesquisa envolvendo a pedagogia do teatro, a inclusão e a formação de espectadores sob a orientação do Dr Flávio Desgranges. É mestra em educação com enfoque na Educação Inclusiva (UFPE), especialista em audiodescrição (UFJF), graduada em Licenciatura em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas (UFPE).  É atriz, audiodescritora, professora da rede pública de ensino e produtora cultural.  Coordenadora da VouSer Acessibilidade, é idealizadora de ações formativas e inclusivas nos projetos: Festival Conectação, Encontro de Acessibilidade Comunicacional em Pernambuco, Experiri Lab de Artista, Cine Às Escuras: Mostra Erótica de Cinema Acessível, do Cineclube VouVer Filmes, Conectação Teatro e LABAcessibilidade Artística e Criativa.

Número de vagas: 30 vagas por turma

Público alvo: Artistas, produtores, gestores culturais, arte-educadores, profissionais da acessibilidade e interessados em geral.

Pré-requisito: É necessário que os alunos possuam computador ou celular com acesso à internet, áudio e vídeo. No caso de acesso pelo celular, é necessário ter instalado o aplicativo Zoom.

Cronograma Turma 3

Período de inscrição: 12 de setembro a 12 de outubro

Divulgação dos alunos selecionados: 14 de outubro

Datas das aulas: 18 e 20 de outubro

Horário das aulas: das 19h às 22h
 

Serviço

▪

 Apresentações presenciais: Ingressos gratuitos, disponíveis nas bilheterias dos teatros, 1 hora antes de cada espetáculo.

▪

 Endereços:

Teatro Wanda Fernandes – Galpão Cine Horto

Rua Pitangui, 3613 – Horto – Belo Horizonte/MG

Espaço Cênico Yoshifumi Yagi - Teatro Raul Belém Machado

Rua Leonil Prata, s/n - Alípio de Melo – Belo Horizonte/MG

▪

Programação online: gratuita no Youtube www.youtube.com/AcessaBH

 

▪

Inscrições gratuitas para os debates, oficinas e mostra de processo: https://acessabh.com.br/inscricoes/

 

Acessibilidade:

▪

 Espetáculos presenciais: Acessibilidade física, Audiodescrição e Libras

▪

 Espetáculos online: Audiodescrição, Libras e Legendas

▪

 Debates, lives e oficinas online: Libras e Audiodescrição. *Na live da Escola de Gente, realizada em 19/09, haverá Libras, legenda e audiodescrição em canal fechado.

 

Mais informações sobre o evento: https://acessabh.com.br

 

O “Festival Acessa BH” é realizado por Lais Vitral e Vitral Bureau Cultural, com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte, com o patrocínio da MGS, e patrocínio da Vallourec e do Instituto Unimed-BH através da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O “Seminário Acessa BH” é realizado por Lais Vitral e Vitral Bureau Cultural, com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte.


Link
Notícias Relacionadas »
Ab Noticias  News Publicidade 1200x90
Mande sua denuncia, vídeo, foto
Atendimento
Mande sua denuncia, vídeo, foto, pra registrar sua denuncia