30/07/2018 às 11h30min - Atualizada em 30/07/2018 às 11h30min

Há sete anos, Neymar fez um desabafo parecido em comercial de outra patrocinadora

Extra

Agência O Globo -
Agência O Globo -

O desabafo feito por Neymar, através de um comercial de um de seus patrocinadores, não é um discurso novo. Antes da campanha feita pela Gillette entrar no ar na noite de domingo, na TV Globo, o craque do Paris Saunt-Germain usou a mesma tática em 2011, quando estava no Santos e tinha apenas 19 anos, mas já era alvo de críticas da torcida do Peixe.

Na época, ele foi alvo de polêmica após sua insubordinação ter gerado a demissão do técnico Dorival Júnior, em setembro de 2010. Logo depois desse episódio, o camisa 10 virou garoto-propaganda da Nextel, uma empresa de telefonia. O detalhe é que o pai e empresário dele, Neymar Santos Silva, também aparecia na peça.

"Você me xingou quando eu errei, gritou quando eu não escutei. Você me deu carinho, me deu amor e a noção de felicidade, e só ela é o que importa. Não é fama, não é dinheiro, não é carreira, não é poder. Você sabe quem eu sou: só mais um menino feliz brincando com a sua bola. E quero continuar assim para ser que nem você, pai (o pai dele aparece no vídeo)", disse Neymar no vídeo.

Já em 2014, uma propaganda de TV da Claro, outra companhia de telecomunicações, exaltou Neymar como mártir após a lesão sofrida nas quartas de final da Copa, contra a Colômbia, em que Zuñiga aplicou uma joelhada desleal nas costas do atacante, tirando-o da competição. A peça adaptava uma crônica de Nelson Rodrigues para colocá-lo como herói nacional.

"Perdemos o craque, mas temos algo que ninguém tem: o o formidável povo brasileiro", diz parte do texto do comercial, exibido na reta final do Mundial de 2014, disputado em território brasileiro.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »